Tudo acontece em Brasília
Brasilienses encaram a chuva sem perder a graça no Carnaval 2019

Brasilienses encaram a chuva sem perder a graça no Carnaval 2019

Ver Original

São Pedro até que tentou, mas os brasilienses que ficaram na cidade dispostos a brincar o Carnaval não perderam o pique e prestigiaram os bloquinhos no Plano Piloto. Solteiros e casados, com ou sem filhos, se divertiram e gostaram do que viram nesta segunda-feira (4), o terceiro dia da festa.

A jornalista Nathale Amaral, de 45 anos, teve seu dia de folga das funções de maternidade. Acompanhada do marido, o publicitário João Paulo Passos, 39, e mais três amigos, ela deixou o filho de três meses com a avó para aproveitar a folia de um dia de bloco – e está segura de ter tomado uma boa decisão. “Me produzi e estou animada para curtir enquanto meu bebê me espera em casa”, contou. “É o único dia em que estou saindo.”

O casal já passou vários carnavais fora da cidade e aproveitou outros tantos aqui. Este ano, por conta do recém-nascido, Nathale e João Paulo reforçaram a presença. “A cada ano, a organização só tem melhorado”, avaliou João Paulo. “Este ano, dou nota 10.”

Segurança

Luciano Ferrarez, 40, decidiu incluir os filhos na folia e não se arrependeu. Ao lado da esposa, Luciana, 40, o analista de sistemas levou Henrique (4) e Amanda (8) para dois blocos infantis no domingo (3). Foi ao Mamãe me Carrega e ao CCBB. À noite, o casal saiu para aproveitar o bloco Eduardo e Mônica, só de adultos.

Luciano contou que tanto ele quanto Luciana se sentiram seguros em todos os blocos – os dois adoram se divertir com os grupos carnavalescos, principalmente com os alternativos. “Abrimos o jornal hoje e só ressaltaram os pontos isolados de violência”, observou. “Deveriam dar destaque ao todo, que está bem-feito e organizado.”

Baratinha

O empresário Rafael Pereira Teixeira esteve no Parque da Cidade, no domingo (3), no bloco Baratinha, com a mulher as duas filhas – de 4 e 12 anos – para brincar o Carnaval. O horário da festa, que se estendeu até a noite, por se tratar de uma área não residencial, foi um atrativo.

“Já prestigiei outras vezes e acho muito bom”, disse Rafael. “O que acho mais interessante é que termina mais tarde”, afirmou. A mulher de Rafael, a psicóloga Taiane Braga, apreciou da mesma forma e destacou ter se sentido à vontade. “Achei muito seguro. Conseguimos nos divertir bastante. As meninas estão querendo mais. Recomendo para quem quiser vir”.