BRASÍLIA PINTADA DE JAZZ

Escrito por: Paloma C. Mamede Data: 03/09/2017
BRASÍLIA PINTADA DE JAZZ

** Pintura do Artista Leonid Afremov


As nuances uma vez me disseram

Que as palavras têm tato,

Paladar e sensações cósmicas,

Têm cor.

Falaram do Jazz e dos absurdos,

Falaram de todos os medos pelo silêncio,

E o jazz com suas cores boreais

Foi inundando as narinas

E, chegando aos lábios com gosto

Alcoólico de Amora.

Falaram dos absurdos, dos medos,

E, das carícias pelo silêncio,

E, o Jazz inundando todos aqueles

Corações no escuro.

Saciando até mesmo a sede

De todas as almas mudas...

Falaram dos monstros pelo silêncio,

Afagaram harmoniosamente cada absurdo,

Até aqueles sem nome.

Falaram do crime em silêncio,

E, foram cúmplices do assassínio

Da Voz...

Enquanto o Jazz era tudo,

Até os lábios, o beijo,

E, todas as coisas sem nome...

Todas as coisas sem voz.



Acesso Rápido

Mais Lidas da Semana