Notícia Voltar

Com o fim das chuvas, obras de infraestrutura avançam em Vicente Pires
Quatro trechos da região administrativa recebem trabalhos de drenagem e pavimentação. Investimentos no local somam R$ 463 milhões, recursos do DF e da União

Publicidade
GUILHERME PERA, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

A seca é o período em que as obras de infraestrutura avançam com maior rapidez no Distrito Federal. Em Vicente Pires, a drenagem e a pavimentação progridem nos quatro trechos, tanto nas terras de propriedade do DF quanto nas da União.

Vicente Pires tem cerca de 2,2 mil hectares. Ao todo, serão feitos 185,6 quilômetros de drenagem pluvial e 253,4 quilômetros de pavimentação asfáltica em vias equivalentes a 7 metros de largura, além de calçadas e meios-fios.

Em vistoria nesta quinta-feira (10), o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, disse que vai aproveitar o tempo seco para avançar na drenagem das áreas principais de Vicente Pires. “Essa obra é extremamente importante do ponto de vista ambiental, porque a falta de drenagem ao longo dos anos provocou o assoreamento do Lago Paranoá.”

As áreas visitadas foram a Chácara 35 e a Avenida São Sebastião, ambas na Colônia Agrícola Samambaia, no Trecho 3, e as Ruas 4C e 8, no Trecho 2. Nos quatro locais, as intervenções estão avançadas. Na avenida, por exemplo, já estão instaladas drenagem, pavimentação e calçadas.

Vicente Pires recebe investimento de quase meio bilhão de reais

Os investimentos em obras de infraestrutura em Vicente Pires somam R$ 463 milhões, sendo R$ 397 milhões da Caixa Econômica Federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Pavimentação e Qualificação de Vias e outros R$ 65 milhões de contrapartida do governo de Brasília.

O Trecho 1 e o Trecho 3 são do Distrito Federal e estão com os trabalhos mais avançados. Nos Trechos 2 e 4, foi necessária permissão da União para começar os trabalhos, o que causou maior demora.

Como está o andamento das obras em cada trecho de Vicente Pires

No Trecho 1, nas imediações da Estrada Parque Taguatinga (EPTG) e do Pistão Norte (na antiga Colônia Agrícola Samambaia), as obras começaram em dezembro de 2015. A drenagem está 20% executada, e a pavimentação, 10%. O investimento é de R$ 90,4 milhões na construção de 45,5 quilômetros de redes de drenagem pluvial e de 70 quilômetros de asfalto.

As obras de urbanização do Trecho 3 começaram em setembro de 2015. No local, são investidos R$ 34 milhões na construção de 27,3 quilômetros de rede de drenagem, 42 quilômetros de pavimentação asfáltica e 101 quilômetros de calçadas. Até o momento, estão executadas 35% das obras de drenagem e 30% da pavimentação.

Como as obras nos Trechos 2 e 4 foram licenciadas no fim de 2016, em pleno período chuvoso, não foi possível iniciá-las de imediato. Elas começaram efetivamente em março de 2017.

No Trecho 2, são construídos 99,3 quilômetros de drenagem — 7% estão executados — e 124,4 quilômetros de pavimentação — 4% estão prontos.

No Trecho 4, estão sendo feitos 13,5 quilômetros de drenagem e 17 quilômetros de pavimentação. Até agora, estão executados cerca de 12% de drenagem e 5% de pavimentação.


EDIÇÃO: MARINA MERCANTE

Fonte: AgênciaBrasilia

Acesso Rápido

Mais Lidas da Semana